segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

INTERVENÇÃO DIRETA DO OCIDENTE NA LÍBIA

Pentágono bombardeia prédio no noroeste da Líbia deixando mais de 40 mortos

Dois cidadãos sérvios mortos enquanto Belgrado procurava negociar sua libertação

Por Abayomi Azikiwe - Líbia 360º (excerto)

Em uma operação de bombardeio em 19 de fevereiro em Sabratha, Líbia, tendo com alvo declarado um campo de treinamento do Estado Islâmico, mais de 40 pessoas foram mortas por aviões de combate F-15E do Pentágono. O ataque aéreo visava um agente que tem sido associado a um ataque ao museu Bardo, na vizinha Tunísia, em 2015.

Esse ataque aéreo atingiu a área costeira a 50 milhas a oeste de Tripoli, visando Noureddine Chouchane, de nacionalidade tunisiana. Chouchane foi acusado de organizar a chegada de agentes do Estado islâmico na Líbia.

Chouchane, de 35 anos, foi morto no bombardeio que arrasou a residência com sessenta outros moradores alegadamente afiliados ao EI. O ataque segue ataques aéreos semelhantes, em junho atingindo o argelino Mokhtar Belmokhtar e em novembro destinado a Abu Nabil, também conhecido como Wissam Najm Abd Zayd al-Zubaydi, um cidadão iraquiano que foi o líder das estruturas militares do EI no Iraque.

Desgaste diplomático envolve assassinato de nacionais sérvios

No entanto, os meios de comunicação noticiam que dois cidadãos sérvios detidos pelo EI foram mortos no bombardeio. Tem sido anunciado durante meses que o Pentágono está traçando coordenadas para o bombardeamento da Líbia sob o pretexto de atacar os chamados "extremistas islâmicos".

O EI estabeleceu bases no oeste da Líbia, onde controla a cidade de Sirte, lar do ex-líder líbio Muamar Kadafi, que foi brutalmente assassinado na área em 20 de outubro de 2011. A Líbia foi submetida a uma guerra de mudança de regime projetada pelo Pentágono e pela Agência Central de Inteligência (CIA), que resultou em milhares de mortos e milhões de deslocados, e tornou o que foi outrora o país mais próspero da África em uma enorme fonte de pobreza, subdesenvolvimento, tráfico de seres humanos e instabilidade regional.

A morte dos dois sérvios provocou protestos por parte do governo em Belgrado e das pessoas em toda a Sérvia. Autoridades sérvias vinham negociando o fim do cativeiro dos dois cidadãos, referidos como diplomatas.

De acordo com a Russia Today (RT), rede mundial de notícias em televisão por satélite, "a promessa de segurança da OTAN ao tentar arrastar a Sérvia para dentro da aliança são humilhantes para o país balcânico, num momento em que dois de seus diplomatas, reféns na Líbia, foram mortos em um ataque aéreo de precisão norte-americano... O governo dos EUA sabia que os dois sérvios estavam sendo mantidos como reféns por milicianos do EI na Líbia, pois o governo sérvio compartilhou suas informações com as agências de inteligência dos EUA, antes dos ataques. Essa informação foi fornecida ao FBI e à CIA. Os EUA agora estão a negar conhecimento do paradeiro dos reféns."

Bombardeamento pode ser precursor de invasão terrestre

Este ataque ocorre em meio a crescentes ameaças do diplomata de carreira alemão e enviado das Nações Unidas à Líbia, Martin Kobler, de mobilizar uma força de ocupação militar de 6.000 efetivos que interviria na Líbia para impor o proposto governo de unidade às duas facções rivais que disputam o reconhecimento internacional. O acordo de unidade entre os dois regimes rivais visa pavimentar o caminho para a implantação de tropas estrangeiras com aprovação das milícias de Trípoli e de Tobruk, dirigidas pelo Imperialismo.

A proposta força de paz da ONU seria liderada pela Itália, incluindo tropas da Grã-Bretanha, França e outros países aliados. A Grã-Bretanha já anunciou publicamente que também planeja lançar ataques aéreos dentro da Líbia.

Um artigo de 31 de janeiro publicado no Daily Mail diz que "a Grã-Bretanha está planejando bombardeios aéreos contra militantes do Estado Islâmico que controlam partes da Líbia devastada pela guerra, segundo uma fonte militar."

Em termos mais específicos, o Sunday Times informa: "Uma equipe de seis oficiais da RAF e agentes do MI6 voaram para uma base aérea perto da cidade da Líbia oriental de Tobruk, que está sob o controle de forças da milícia reconhecida internacionalmente. Diplomatas do Foreign and Commonwealth Office e militares da França e dos EUA também participaram do encontro."

Ausente da consolidação do acordo para unificar os dois campos líbios, o Pentágono declara que continuará a lançar ataques aéreos e ataques de operações especiais contra líderes rebeldes.

A administração Obama foi objeto de críticas por sua guerra contra a Líbia em 2011, que se tornou mais um obstáculo para a Casa Branca facilitar a eleição de um presidente democrata em novembro. Ao longo dos últimos sete anos, a política externa dos EUA continuou sua escalada de intervenções militares e a construção de bases em diversos locais em toda a África.

As tropas dos EUA no Africa Command (AFRICOM) têm milhares de soldados no Djibouti, no Corno da África, estendendo as suas operações da Somália e da Etiópia ao longo da bacia do Oceano Índico e em toda a África Central e Ocidental, até o Golfo da Guiné. O pessoal do Pentágono e da CIA trabalha em estreita cooperação com outros estados imperialistas, procurando dominar todos os governos do Continente através do comércio, manobras diplomáticas, penetração de inteligência e "parcerias" militares.

No entanto, o regime interino na Líbia concebido para unir as facções concorrentes baseadas em Tobruk e em Tripoli denunciou o bombardeio pelo Pentágono, dizendo que a operação foi realizada sem a consulta e reconhecimento de qualquer facção. Há uma falta de unidade e uniformidade de ação entre os dois regimes, levantando dúvidas sobre a viabilidade desse arranjo imposto.

Uma declaração emitida em 19 de fevereiro por essa coligação de forças líbias concorrentes "condena veementemente os ataques aéreos realizadas pela Força Aérea dos EUA em certas posições na cidade de Sabratha na sexta-feira de manhã, 19 de fevereiro de 2016, sem qualquer coordenação ou consulta com o governo interino líbio. Qualquer interferência semelhante à que ocorreu será considerada uma violação aberta e flagrante da soberania do Estado líbio e do direito internacional." (RT.com)

https://libya360.wordpress.com/2016/02/22/pentagon-bombs-compound-in-northwest-libya-leaving-over-40-reported-killed/































SÍRIA

SOBRE O ACORDO DE CESSAÇÃO DE HOSTILIDADES NA SÍRIA (Leg.Ingl.)

Publicado em 22 de fev de 2016

http://thesaker.is/vladimir-putin-special-statement-on-cessation-of-hostilities-in-syria-starting-feb-27th/

"Amigos,

Eu acabo de conversar por telefone com o presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama. O telefonema foi iniciativa da parte russa, mas o interesse foi certamente mútuo.

Durante a nossa conversa, aprovamos declarações conjuntas da Rússia e dos EUA, como co-presidentes do ISSG (Grupo Internacional de Apoio à Síria), sobre a cessação das hostilidades na Síria. A aprovação da declaração foi precedida pelo trabalho intensivo de especialistas russos e americanos. Nós também fizemos uso da experiência positiva que acumulamos ao longo da cooperação na eliminação das armas químicas na Síria.

Nossos negociadores realizaram várias rodadas de consultas fechadas. Como resultado, fomos capazes de chegar a um importante resultado específico. Foi acordado que a cessação das hostilidades na Síria começará às 00:00 hs (hora de Damasco) em 27 de fevereiro de 2016, nos termos e condições que fazem parte da declaração russo-americana.

A essência destas condições é a seguinte: até às 12:00 horas do dia 26 de fevereiro de 2016, todas as partes em conflito na Síria devem indicar à Federação Russa ou aos nossos parceiros americanos seu compromisso com a cessação das hostilidades. As tropas russas e americanas definirão conjuntamente os territórios onde esses grupos estão ativos. Nenhuma ação militar será tomada contra eles por parte das Forças Armadas da República Árabe da Síria, Forças Armadas russas e da coalizão liderada pelos Estados Unidos. Por sua vez, a oposição vai cessar todas as ações militares contra as Forças Armadas da República Árabe da Síria e os grupos que as apoiam.

Estado Islâmico, Jabhat Al-Nursa, e outras organizações terroristas designadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, estão excluídos da cessação das hostilidades. Os ataques contra eles continuarão.

É de fundamental importância que a Rússia e os EUA, como co-presidentes da ISSG, estejam preparados para lançar mecanismos eficazes para promover e monitorar o cumprimento do cessar-fogo, tanto pelo governo sírio como pelos grupos armados de oposição.

Para atingir este objetivo, vamos estabelecer uma linha direta de comunicação e, se necessário, um grupo de trabalho para a troca de informações relevantes. A Rússia vai realizar o trabalho necessário com Damasco e a liderança síria legítima. Esperamos que os Estados Unidos façam o mesmo em relação aos seus aliados e os grupos que os apoiam.

Estou certo de que as ações comuns acordadas com o lado americano serão suficientes para inverter radicalmente a situação de crise na Síria. Finalmente, estamos vendo a possibilidade real de acabar com a violência e o derramamento de sangue de longa data. Como resultado, o acesso humanitário a todos os cidadãos sírios necessitados será facilitado.

O mais importante é a criação de condições para o lançamento de um processo político de longo prazo através de um amplo diálogo inter-sírio em Genebra, sob os auspícios da ONU.

Infelizmente, a história recente tem muitos exemplos em que ações unilaterais não sancionadas pela ONU, favorecendo interesses políticos ou oportunistas de curto prazo, levaram a resultados dramáticos. Esses exemplos são conhecidos de todos: Somália, Iraque, Líbia, Iêmen...

Neste contexto, os acordos russo-americanos sobre a cessação das hostilidades na Síria, e a sua implementação conjunta em coordenação com todas as nações que participam do Grupo Internacional de Apoio à Síria, podem tornar-se um exemplo de ações responsáveis ​​da comunidade global contra a ameaça do terrorismo, baseadas no direito internacional e nos princípios das Nações Unidas.

Gostaria de esperar que a liderança síria e todos os nossos parceiros na região, e além, apoiem esse conjunto de ações escolhidas pelos representantes da Rússia e dos EUA."

https://syria360.wordpress.com/2016/02/22/vladimir-putins-address-following-adoption-of-a-joint-statement-on-cessation-of-hostilities-in-syria/

domingo, 14 de fevereiro de 2016

TURQUIA ATACA A SÍRIA

video


Síria afirma que ataques da Turquia visam apoiar terroristas.

http://en.alalam.ir/news/1789316

O governo da Síria denunciou à ONU o bombardeio de seu território pela Turquia, qualificando-o de "apoio direto aos grupos terroristas."

Em uma carta no domingo [hoje], o Ministério das Relações Exteriores sírio pediu ao Conselho de Segurança da ONU para "pôr fim aos crimes do regime turco."

"O Ministério das Relações Exteriores condena firmemente os repetidos crimes e agressões da Turquia contra o povo sírio e a integridade territorial da Síria", relatou a SANA, agência de notícias oficial da Síria.

Forças turcas continuaram, pelo segundo dia neste domingo, a bombardear posições dos combatentes curdos do Partido da União Democrática (PYD) na província síria do norte de Aleppo.

De acordo com a agência de notícias Anadolou da Turquia, o exército turco atacou alvos do PYD em torno da cidade de Azaz com obuses estacionadas na fronteira com a Síria. Atentado semelhante ocorreu no sábado.

Ancara acusa o PYD, e seu braço militar, as Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG), de ligações com o grupo militante Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que vem lutando por uma região autônoma curda dentro da Turquia desde a década de 1980.

O primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu declarou depois dos ataques de sábado que Ankara "vai retaliar contra cada passo (do YPG)."

"O YPG vai retirar-se imediatamente de Azaz e área circundante, e não retornará para perto dela novamente". Davutoglu também observou que a Turquia "pode, se necessário, tomar as mesmas medidas na Síria que tomou no Iraque e em Qandil", referindo-se ao bombardeio pela Turquia de posições do PKK no Monte Qandil, no ano passado. [http://curdistam.blogaliza.org/2015/07/28/por-que-esta-sendo-bombardeado-qandil/]

O governo sírio condenou a fala de Davutoglu como "interferência flagrante" nos assuntos sírios, segundo a Press TV.

Veja mais em: http://en.alalam.ir/news/1789316#sthash.UAsOr0pU.dpuf


Jatos de combate russos Sukhoi Su-24s e Su-34s decolam da base aérea de Hmeymim em Latakia neste domingo para alvejar posições do autoproclamado Estado Islâmico e da Frente al-Nusra na Síria.
Publicado em 14 de fevereiro de 2016


Relatório do General Igor Konashenkov (clique no ícone das legendas [Ingl.])

Publicado em 11 de fev de 2016
http://thesaker.is/most-interesting-statement-of-major-general-igor-konashenkov-must-see/


ATUALIZAÇÃO 16/02/2016: EXÉRCITO SÍRIO RETOMA AHRES E MASQAN, AO NORTE DE ALEPPO

https://syria360.wordpress.com/2016/02/17/syrian-front-turkish-army-prepares-for-direct-invasion-of-syria/


DR. AL-JAAFARI, EMBAIXADOR DA SÍRIA NA ONU, NO CONSELHO DE SEGURANÇA (aos 12 min.)

https://syria360.wordpress.com/2016/02/16/al-jafaari-on-the-turkish-attacks-on-syria-un-media-stakeout/


RELATÓRIO DO MINISTÉRIO DA DEFESA RUSSO EM 16/02/2016

http://thesaker.is/russian-mod-press-briefing-for-february-16th-2016/